Home / Sindicato / Gênero / Caravana Respeita as Mina chega em Conquista

Caravana Respeita as Mina chega em Conquista

Vitória da Conquista está entre as 16 cidades mais violentas para as mulheres na Bahia, segundo pesquisa do Mapa da Violência de 2015, e o estado está entre os mais violentos do país. Entre janeiro e maio deste ano foram registrados 15.751 casos, 125 mulheres assassinadas, 5.021 casos de lesões corporais e 118 tentativas de homicídio.
Neste cenário, a Caravana Respeita as Mina realizou atividades no Colégio Polivalente de Conquista, no dia 1º de dezembro, após ter percorrido os 16 municípios do ranking. Esta é uma ação da Superintendência de Políticas para as Mulheres, que tem como finalidade debater e oferecer formação sobre o combate à violência contra a mulher. “Esses espaços de formação são fundamentais. A Caravana Respeita as Mina está realizando oficinas que dialogam com a rede de proteção a mulher, juventude e a sociedade. Esse debate alcança aquelas mulheres que infelizmente estão em diversas comunidades e não tem acesso a uma oficina como essa porque não podem se deslocar. Quando eu converso com pessoas dos sindicatos, coletivos de mulheres, associação de moradores e mulheres, elas serão multiplicadoras disso tudo que estamos dialogando e serão responsáveis por levar esse diálogo até outras mulheres e também para atuar em conjunto com a rede de proteção”, aponta Iraildes Andrade, facilitadora da oficina de sociedade civil.
Este é um momento de mobilização mundial. No dia 25 de novembro, declarado pela ONU como dia internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, iniciou-se a campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher”, e segue até o dia 10 de dezembro – Dia Internacional dos Direitos Humanos. A primeira edição desta campanha foi em 1991, no Brasil desde 2003. Hoje o calendário conta com programação em cerca 160 países.
Diretoras, diretores e bancárias da base do Sindicato estiveram presentes na capacitação e no ato institucional, que contou com abertura do grupo teatral Rosas da Democracia e a Banda Marcial da Polícia Militar.
“O alto índice de agressão em nosso estado reflete a falta de políticas públicas em orientação e repressão a agressão contra as mulheres não somente em ambiente familiar. A caravana cumpre um papel educativo importante e o Sindicato, como representante da sociedade civil, em conjunto com outras entidades teve a oportunidade de compreender mais sobre como lidar com as agressões também em âmbito institucional”, avalia Amanda Neves, diretora de Assuntos de Gênero do SEEB/VCR.

Comentários

Veja Mais!

Categoria presente nas manifestações

O ano foi marcado pela oposição ao processo de desmonte dos bancos públicos e pela …