Home / Brasil / Disputa eleitoral em momento desfavorável aos trabalhadores

Disputa eleitoral em momento desfavorável aos trabalhadores

Uma análise minimamente ponderada sobre as perspectivas dos trabalhadores em relação ao processo eleitoral de 2018 precisa levar em consideração alguns fatos marcantes – políticos, econômicos e sociais – que ajudam a explicitar como o Brasil chegou à atual conjuntura.

O ideal seria que o debate coletivo tomasse conta dos meios de comunicação, na massificação das campanhas, no confronto de projetos das diferentes candidaturas, de tal forma que o eleitorado pudesse fazer a leitura mais próxima possível da realidade.

De modo geral, nos diversos campos político-ideológicos existe razoável consenso de que o Brasil atravessa várias crises ao mesmo tempo ou uma crise multidimensional que atinge as instituições, a democracia, os valores éticos e as atividades econômicas, políticas e sociais.

A identificação de aspectos da crise pode contribuir para verificar quais campanhas e candidaturas se alinham mais – ou menos – com as demandas dos trabalhadores, com projetos progressistas ou conservadores, com mudanças verdadeiras ou mais do mesmo. Vejamos:

Sinais econômicos da crise

•    O fato mais decisivo da crise atual, sem nenhuma dúvida, é a prolongada retração da economia desde 2013 e os seguidos anos de PIB negativo ou próximo de zero, o que provocou uma brutal redução das atividades produtivas, o aumento do desemprego, a queda de consumo, a queda do investimento, a diminuição das exportações, o empobrecimento geral da população.

•    As medidas de austeridade adotadas no governo Dilma, em 2014, seguidas de ajuste fiscal e cortes orçamentários no governo Temer, não foram eficientes para conter a destruição da indústria, do comércio, dos serviços e da precária qualidade de vida dos brasileiros. Nada indica que tais diretrizes sejam apropriadas para reativar a economia e recuperar os danos causados nos últimos cinco anos.

•    Diante da sequência de crises geradas pelo modelo político-econômico adotado desde 1990, está evidente que a cartilha do Consenso de Washington, a bíblia do neoliberalismo, não deu conta de promover o desenvolvimento de forma consistente no país, muito menos serviu para reduzir a brutal desigualdade econômica e social e melhorar a vida do povo brasileiro.

•    Todos os governos desde Collor, FHC, Lula e Dilma, mantiveram praticamente intactas as diretrizes do neoliberalismo, que estabelece total liberdade para os capitais e mercados, a desregulação do trabalho, respeito à produção intelectual (Lei de Patentes), Estado mínimo (privatização de empresas e serviços públicos), controle fiscal (redução de gastos com pessoal e gastos sociais) etc.

•    Está claro o esgotamento do modelo neoliberal: o intenso processo de privatizações realizado desde os anos 1990 não resultou em ganhos significativos para o parque industrial brasileiro, menos ainda na melhoria e na qualidade dos serviços públicos essenciais. Ao contrário, o país teve aumento de dependência na área industrial e no domínio da tecnologia. As áreas que definem o desenvolvimento social (educação, saúde, moradia, transportes, saneamento, segurança) enfrentam processo de sucateamento e abandono.

•    A entrada de capitais estrangeiros em inúmeros setores produtivos e atividades de serviços públicos, na grande liquidação das empresas estatais e na desnacionalização das empresas privadas, provocou tempo depois enorme escalada da evasão de recursos nacionais, principalmente porque não existe limite para a remessa de lucros e o pagamento de royalties e patentes.

•    A abertura escancarada das importações gerou brutal desindustrialização do parque produtivo nacional e reduziu a inserção do país no mercado global (hoje é metade da participação brasileira em 1990). O Brasil se limita a exportar matérias primas e produtos in natura (minérios, grãos, carnes) e a importar produtos manufaturados com maior valor agregado.

•    Escassos investimentos na educação, ciência, pesquisa e tecnologia deixaram o parque industrial brasileiro totalmente defasado em relação aos principais países industrializados, com baixa produtividade e baixa competitividade. O trabalhador brasileiro tem pouca escolaridade e está sujeito a processos produtivos anacrônicos e tecnologia ultrapassada.

•    Ao longo dos últimos dez anos o Estado perdeu enormes recursos e sua capacidade de investimento devido à política de desonerações fiscais descabidas e irresponsáveis (370 bilhões de reais em isenções fiscais deixam de entrar nos cofres públicos por ano), enquanto vários outros setores da economia foram esmagados por falta de apoio oficial.

•    Com a cumplicidade dos poderes da República, o Brasil tem atualmente uma sonegação fiscal (em especial de grandes empresas) superior a 500 bilhões de reais por ano. Os impostos diretos (Renda, Lucro, Herança, Fortuna) protegem os ricos e os impostos indiretos (ICMS, IPI, ISS) castigam os pobres. Tal sistema alimenta a desigualdade.

•    O país está sendo saqueado com enormes transferências de recursos públicos para a rolagem anual da dívida pública, que hoje está em 3,7 trilhões de reais, com total favorecimento de bancos nacionais e estrangeiros, fundos de investimentos nacionais e estrangeiros e para a elite de rentistas mais bem remunerados do planeta.

•    Nos últimos anos o Brasil passou a ter também grande evasão de capitais nacionais, tanto de empresas privadas quanto de pessoas físicas. Primeiro, os mais ricos e suas empresas mandaram grandes fortunas para os paraísos fiscais. Depois muitas empresas passaram a montar filiais e até mesmo matrizes no exterior. Agora aumenta a cada dia o número de brasileiros – PESSOAS FÍSICAS – que investe e se muda com a família para o exterior. Só no primeiro semestre de 2018 foram enviados para o exterior mais de 1 bilhão de dólares de pessoas físicas, principalmente para Estados Unidos, Portugal, China, Canadá, Reino Unido, Espanha, Alemanha e Itália. É a fuga da riqueza nacional.

•    A crise econômica tem sido persistente e aprofundada por adoção de modelo que não atende as necessidades da população brasileira, por gestão irresponsável e incompetente dos recursos públicos e por escancarado descompromisso dos agentes econômicos e financeiros com a condição do povo e com o futuro do país.

•    Para reverter essa situação e tirar o Brasil da crise econômica é preciso o esforço coletivo de amplos setores da sociedade, em torno de um PACTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL visando a nossa autossuficiência, a retomada da produção industrial, a geração de empregos e a melhoria da qualidade de vida de todos os brasileiros. É preciso impedir a destruição da riqueza nacional, a evasão de recursos e a especulação financeira.

•    É evidente que o agravamento da crise econômica, a partir de 2013 (antes das eleições de 2014 – quando foi reeleita a chapa Dilma-Temer), atingiu diretamente a parcela mais pobre e mais necessitada dos serviços públicos essenciais.

•    O desemprego saltou de 5 milhões nos anos 2000 para mais de 13 milhões de trabalhadores em 2018, sem contar alguns milhões que estão no desalento (deixaram de procurar emprego) ou em sub ocupação (bicos e serviços temporários).

•    A informalidade do trabalho, problema histórico no Brasil, já foi próxima dos 40% da PEA (População Economicamente Ativa) em décadas passadas, mas agora está em torno de 60% da PEA, o que significa que a maioria dos trabalhadores não tem carteira assinada, não tem os direitos previstos na CLT, não tem FGTS e não recolhe para a Previdência.

•    De acordo com os dados do IBGE e do Banco Mundial o Brasil tem atualmente mais de 63 milhões de pessoas com renda abaixo da linha de pobreza, que é de U$5,5 dólares (pouco mais de 20 reais) por dia.

•    A nova onda de desproteção começou logo após as eleições de 2014 com cortes no salário-desemprego, no auxílio-social, no benefício de pensões; depois vieram os cortes nos programas sociais do governo e a retirada de direitos dos trabalhadores. A terceirização sem restrições, aprovada pelo STF, acelera ainda mais a precarização do trabalho.

•    Com o aumento do desemprego, milhões de famílias perderam o acesso aos planos privados de saúde; milhões de pessoas deixaram de recolher as contribuições do INSS que são fundamentais para as futuras aposentadorias; milhões de pessoas interromperam os estudos por falta de bolsas de estudo e de recursos próprios; milhões de pessoas migraram para moradias precárias em favelas, áreas de riscos, ocupações ou estão nas ruas.

•    O desastre social é enorme e de difícil recuperação. Mesmo que o país consiga reverter no novo governo a trajetória de degradação social, com certeza levará vários anos até que se tenha uma situação razoável de atendimento das necessidades básicas e fundamentais para a grande maioria da população. Para muitos, o estrago ocorrido será irrecuperável.

•    O quadro de degradação social tem sido importante fator da escalada de insegurança pública e do aumento da violência que tomaram conta do país. Conforme o Atlas da Violência do IPEA o Brasil registrou 62.500 homicídios em 2016, um número 30 vezes maior do que o de toda a Europa e de vários países em situação de guerra civil.

•    O sistema representativo inaugurado com a Constituição de 1988 demonstra profundo desgaste e enorme dificuldade para atender as demandas atuais da sociedade.

•    Tivemos em quase 30 anos de vigência da Constituição quatro presidentes eleitos diretamente (Collor, FHC, Lula e Dilma), sendo que dois sofreram processos de impeachment e foram substituídos pelos vices.

•    No mesmo período a legislação permitiu e até estimulou a proliferação desenfreada dos partidos políticos. Temos hoje 35 partidos registrados, os quais, na maioria, deixaram de ter programas próprios e se transformaram em balcão de negócios: querem os recursos do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral, abrigam políticos que usam as legendas para interesses privados, e ainda vendem o horário gratuito no rádio e na TV para candidaturas sem o menor compromisso ideológico e programático.

•    As pesquisas indicam que hoje 68% da população, segundo o Datafolha, e 83% da população, segundo o Ibope, não confiam nos partidos políticos. Ou seja, a credibilidade dos principais instrumentos de ação política na sociedade é extremamente baixa.

•    A demonstração do descrédito partidário ocorre na atual campanha presidencial: temos 13 candidaturas com registro no TSE em nome dos 35 partidos legais; e ainda assim mais 20 cidadãos registraram suas candidaturas a presidente sem qualquer vinculação com partidos. O TSE tratou de impugnar as candidaturas avulsas e parte dos candidatos impedidos pela Lei da Ficha Limpa.

Por que os partidos perderam credibilidade?

•    Em parte porque depois de seguidas eleições para Executivo e Legislativo, os dois poderes da República com mandatos eletivos, os candidatos fizeram inúmeras promessas, mas em linhas gerais não corresponderam à expectativa dos eleitores, não atenderam as principais demandas da população nas áreas da saúde, educação, moradia, transportes, empregos e salários etc. A maioria da população continua carente de serviços públicos de qualidade.

•    Em parte porque muitos políticos das principais legendas se envolveram em escândalos de corrupção em casos de desvios de dinheiro público, enriquecimento ilícito e as mais variadas bandalheiras.

•    Um marco importante na atual crise política foi o que aconteceu em junho de 2013, quando milhões de brasileiros foram para as ruas em grandes manifestações de descontentamento generalizado contra os governos e os poderes da República. Os governantes e demais políticos foram duramente questionados. As ruas pediram antigas reivindicações por melhoria na educação, saúde, transportes, moradia, segurança pública, saneamento.

•    As respostas dos governos estaduais e federais, do Congresso Nacional (dos demais Legislativos) e dos partidos políticos foram evasivas e arrogantes, praticamente ignoraram o que o povo queria e pedia nas manifestações.

•    Assim, de um lado existe o enorme desgaste dos políticos, dos partidos e dos governos. De outro lado, os partidos e os políticos não demonstram iniciativa na realização efetiva de mudanças e transformações. Não se renovam e não se revitalizam. Ao contrário, parecem apostar quase sempre na continuidade dos mesmos esquemas viciados.

•    Tudo está a indicar que a renovação do Congresso Nacional e das assembleias legislativas será mínima em 2018. Na Câmara dos Deputados, quase 80% dos atuais parlamentares disputam a reeleição; no Senado, 50% disputam a reeleição; a previsão é de que aproximadamente 70% dos deputados e senadores serão reeleitos. Ou seja, o país terá em 2019 um Congresso Nacional muito parecido com o atual.

•    O imobilismo dos políticos e de seus partidos só tem servido para alimentar o crescente desinteresse dos cidadãos em relação à política e às eleições. O Brasil já teve presidentes da República de diferentes partidos eleitos pelo povo desde 1990, mas nenhum deles conseguiu romper as amarras da ditadura neoliberal. O modelo econômico reina absoluto sobre a política.

Como o eleitorado demonstra desalento?

•    Em 2014, os votos brancos, nulos e a abstenção chegaram a 28,5% do eleitorado (A Dilma foi eleita no segundo turno com 38% dos votos, de maneira que 62% dos eleitores não tiveram compromisso com a eleição dela).

•    Em 2016, nas eleições municipais, os votos brancos, nulos e a abstenção chegaram a 35% do colégio eleitoral no primeiro turno; no segundo turno essa taxa pulou para 41%. Em muitas cidades os prefeitos foram eleitos com o apoio de menos de 30% dos eleitores.

•    Agora em 2018 provavelmente teremos a repetição de um quadro comum às eleições anteriores, que é de candidatos eleitos com o apoio de 30% dos eleitores; outros 30% ficam na oposição; e outros 30% não estão nem aí com a escolha de seus representantes.

•    Nas eleições proporcionais o quadro é mais grave, pois o voto de legenda permite colocar nas assembleias legislativas e na Câmara dos Deputados parlamentares com poucos votos, praticamente sem representatividade e sem qualquer legitimidade. Em 2014, por exemplo, o Tiririca elegeu três deputados sem qualquer base eleitoral.

Os dados atestam e reforçam que o sistema representativo está comprometendo seriamente o futuro da democracia no Brasil.

•    Está claro que essa situação só será alterada no momento em que o país realizar uma ampla reforma política, que fortaleça a existência de partidos representativos e programáticos; que limite o financiamento partidário a filiados, militantes e pessoas físicas (sem recursos públicos); que os partidos fiscalizem a idoneidade de seus dirigentes, militantes e candidatos; que defina a fidelidade partidária conforme o programa partidário; que exija votação mínima para ter representação nos legislativos; que crie o sistema distrital misto para assegurar maior controle dos eleitores sobre os eleitos; que exija transparência total e absoluta desde a campanha e durante os mandatos; que permita o funcionamento de democracia direta prevista na Constituição Federal, com a realização de plebiscitos e referendos para todas as questões de relevância na vida da sociedade.

•    Enfim, sem uma verdadeira reforma política o que teremos é mais do mesmo: mais demagogia e enganação; mais desconfiança e mais descrédito; mais desinteresse e mais descontentamento; e mais crises no funcionamento da democracia.

Conclusões:

•    As eleições, por si só, não dão conta de colocar um fim nas crises que o Brasil e o povo brasileiro enfrentam. As eleições podem ser um fator importante no processo de luta se houver empenho de todos nós, coletivamente, para elevar o nosso nível de consciência, apostar no avanço da organização social e assumir o compromisso de acompanhar, fiscalizar e cobrar o melhor desempenho dos representantes eleitos.

•    A escolha dos candidatos deve ser feita pelos programas e propostas, pela seriedade e honestidade, pela visão de mundo, pela capacidade de articulação, pela trajetória democrática – e jamais se deixar enganar por políticos com discursos messiânicos, populistas e demagógicos. O Brasil não precisa de “salvadores da pátria” nem de “falsos mártires”, muito menos “chefes” e “ditadores”, mas de servidores públicos dispostos a construir, com o povo, um país melhor do que o atual.

•    O objetivo do trabalhador (cidadão e eleitor) no atual processo eleitoral deve ser o de não aceitar qualquer retrocesso na nossa frágil e incipiente democracia. É preciso acreditar no avanço do processo civilizatório, na defesa das conquistas históricas das classes trabalhadoras. Os métodos impositivos, truculentos e disseminadores da violência só agravam a barbárie do regime. A defesa dos trabalhadores está no campo antagônico ao dos defensores do neoliberalismo.

•    O país precisa mesmo é de muitas reformas, entre as quais a política, a tributária, a agrária, a urbana, a social, a da comunicação e a do judiciário. O caminho ideal para refundar a República é que o próximo governo estimule efetivamente a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte exclusiva, livre e soberana, com candidaturas avulsas e com a participação de nomes indicados pelos principais movimentos sociais do país. Compete somente ao povo, principalmente aos trabalhadores, a grande tarefa de mudar o Brasil.

 

Fonte: Correio da Cidadania

Comentários

Veja Mais!

Senado aprova aumento de salário, e ministros do STF vão passar a ganhar R$ 39,2 mil

O Senado aprovou nesta quarta-feira (7), por 41 votos a 16, projeto que aumenta em …