Home / O Piquete Bancário / Farra para os banqueiros e arrocho para a população

Farra para os banqueiros e arrocho para a população

Nesta segunda-feira (15), a Faculdade Independente do Nordeste (Fainor) promoveu a mesa redonda “Os impactos da reforma trabalhista nas relações de trabalho: pontos positivos e negativos”.

O presidente do Sindicato dos Bancários de Vitória da Conquista e Região, Paulo Barrocas, foi convidado para participar do debate juntamente com a procuradora Federal do Trabalho, Maria Manuela Britto Gedeon do Amaral, e do juiz do Trabalho e docente da Fainor, Sebastião Martins Lopes. O debate que aconteceu no auditório da Faculdade contou com a ampla participação dos discentes e docentes da instituição.
“Nesse momento, onde trabalhadores e suas organizações vêm sofrendo ataques, com retirada de direitos e profundos retrocessos para todo o país, é de fundamental importância que sejam realizadas atividades como essa, que geram a oportunidade de, através do diálogo, construir caminhos para enfrentar esses desafios e sair da crise”, aponta Paulo Barrocas, presidente do SEEB/VCR.

Agenda de ataques intensificada
Em evento internacional de banqueiros, o atual ministro da economia, Paulo Guedes, anunciou que discretamente já foram vendidos U$ 12 bilhões do patrimônio brasileiro. Essa é a política do governo Bolsonaro, operando atrás de uma cortina de fumaça, onde, na aparência, não consegue avançar em nada, mas, tem como pano de fundo uma política de entrega de toda a riqueza do povo brasileiro para o setor privado.

Muitas são as distrações colocadas. Ministros com declarações públicas absurdas, uma família que ocupa diariamente os portais de notícias com denúncias de envolvimento em corrupção ou por fazer parte de uma comitiva internacional do governo Federal – mesmo sem nenhum cargo que justifique isso. O governo que apontava para o fim da “mamata” tem oferecido todas as regalias possíveis para seus familiares e pessoas próximas, e, para as trabalhadoras e os trabalhadores brasileiros, o maior arrocho dos últimos tempos.

O atual governo aprofundou os cortes na educação e avança para aprovação da reforma previdenciária. Paulo Guedes já reforçou a intenção de aumentar a venda de empreendimentos, caso a liquidação da Previdência não seja aprovada pelo Congresso Nacional.

A agenda econômica que vem sendo implementada tem um único objetivo: operar a favor dos banqueiros acima de qualquer coisa. Ainda no evento, Paulo Guedes declarou que a meta do governo é vender US$ 20 bilhões só este ano e que o objetivo final é que o Brasil não tenha nenhuma estatal no setor de petróleo.

Para Paulo Barrocas, neste cenário, se não nos mobilizarmos desde agora, seremos reféns desse desgoverno. “É um verdadeiro absurdo o que está acontecendo. Enquanto a maioria da população vem passando grandes dificuldades com a falta de emprego e a falta de investimento nos serviços públicos, este governo incompetente tem entregado as nossas alternativas de recuperação econômica nas mãos do setor privado. Ficamos reféns de um governo atabalhoado e de seu ministro psicopata que só pensa em ter um trilhão de reais em mãos. Não há alternativa para solucionarmos essa situação que não passe pela organização da classe trabalhadora. É preciso que tomemos frente dos rumos desse país pela busca de uma sociedade mais justa para aquelas e aqueles que trabalham duro diariamente”, destaca.

Comentários

Veja Mais!

Revisão das NRs feita por Bolsonaro precariza as condições de trabalho

Em setembro, o Ministério da Economia publicou revisões de três Normas Regulamentadoras (NR) do trabalho, …