Home / Artigo / O telhado e as estrelas: Em Além do PT, historiador Fabio Luis B. dos Santos aponta cumplicidades de governos petistas com projetos neoliberais e os impactos na América Latina

O telhado e as estrelas: Em Além do PT, historiador Fabio Luis B. dos Santos aponta cumplicidades de governos petistas com projetos neoliberais e os impactos na América Latina

Por Fabio Luis Barbosa dos Santos

A esquerda vive um dilema: reciclar o PT ou arriscar o novo? O PT é a aposta no mal menor, que será cada vez maior. Já o novo dá trabalho e os resultados demoram. Como em casamento que termina, haverá momentos de solidão e angústia, antes da luz. O primeiro destes momentos pode ser a eleição de 2018. Não seria melhor o velho companheiro, que há muito dorme com o inimigo mas ao menos o amansa? O que fazer? O rumo da esquerda depende das lições da derrota vivida. O ponto de partida deste balanço é entender o impeachment. Esta não é uma discussão retórica: a leitura que prevalecer fundamentará a política futura. Proponho sete hipóteses para contribuir com este debate.

  1. O PT é corresponsável pela situação que o traga. Não é o único responsável, mas também não é uma vítima.

E é corresponsável em todos os seus aspectos: por ter mantido intocado o poder das corporações de comunicação; por ter se incorporado e servido à lei de responsabilidade fiscal; por ter feito da política parlamentar a sua base, e nunca o povo, ou a esquerda. Inclusive, foi neste terreno que tentou negociar a sua salvação até o último momento, sempre na vil moeda da política mercantil.

  1. O golpe não significa uma mudança no sentido da história brasileira, mas aponta para uma aceleração no ritmo e no tempo da política prevalente.

É certo, como dizia o governo Dilma, que impeachment sem crime de responsabilidade é golpe. Porém, o golpe não foi provocado por diferenças substantivas de projeto. Foi no terreno da pequena política, que o PT comandou exitosamente por treze anos, que o jogo virou.

Não há dúvidas que o governo Temer é mais destrutivo que o anterior. Mas suas propostas não traduzem qualquer inflexão no sentido das políticas até então praticadas. Por exemplo: o congelamento dos gastos públicos por vinte anos radicaliza a lógica do ajuste estrutural, cultivada regiamente pelas gestões petistas. As continuidades são simbolizadas por Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central sob Lula.

Então porque o golpe?

O golpe foi precipitado pelo debilitamento da posição petista no lodaçal da política parlamentar, o que está associado ao esvaziamento da sua funcionalidade política. Esta funcionalidade foi descrita como o “modo lulista” de regulação do conflito social: modestíssimos ganhos para os mais pobres, articulados à intocabilidade do País como um negócio para o capital.

Este modo de regulação funcionou a contento durante o boom das commodities. Mas fez água diante da conjunção de escândalos políticos e crise econômica. Foi essa a lição que os de cima tiraram das jornadas de junho de 2013.

Em suma, o PT se tornou desnecessário para mediar o aprofundamento do neoliberalismo, ao qual jamais contrariou. E isso porque o campo popular se encontra apassivado e dividido após treze anos de presidência petista. E a mobilização maior passou para o outro lado.

 

  1. Após treze anos: qual o saldo da experiência petista? Avançamos e acumulamos força no campo popular? Respondo com uma terceira hipótese: as gestões petistas são corresponsáveis pelos retrocessos do presente, mas também do futuro.

Que critérios permitem avaliar se avançamos ou não? Se acumulamos força ou não?

Proponho dois critérios: 1) se o campo popular se fortaleceu; 2) se nos aproximamos de mudanças estruturais.

A política petista não fortaleceu o campo popular, mas o confundiu, o apassivou e o alienou. Confundiu, porque implementou um programa e práticas de direita, apresentando-se como esquerda. Apassivou, porque envolveu setores populares na gestão pública para neutralizá-los, e não para realizar suas demandas históricas. Alienou, porque promoveu o consumo como solução para os problemas sociais — uma via individual e não coletiva, que mercantiliza o que são direitos.

Quanto ao segundo critério: nos aproximamos de mudanças estruturais?

Entendo que nos afastamos, porque os avanços modestos e provisórios que podem ser apontados, corresponderam a uma deterioração do tecido social do país: uma economia mais desnacionalizada, menos industrializada, mais extrativista e mais dependente; uma sociedade em que o trabalho é mais precário, uma reforma agrária que retrocedeu, serviços públicos que se deterioraram e se mercantilizaram; uma política e uma sociedade a cada dia mais conservadoras e violentas.

Alguns dirão que estávamos melhor com o PT do que com o governo atual. No plano imediato, não há dúvida. Mas mais além do imediato, é preciso constatar que as gestões petistas alimentaram o que enfrentamos agora e enfrentaremos no futuro (os bancos, o agronegócio, a mídia corporativa, os partidos conservadores etc.). E ao mesmo tempo, nos debilitaram para enfrentar estes desafios. Por isso, é corresponsável pelos retrocessos do presente e do futuro.

  1. O PT se tornou um fator de imobilismo da política de esquerda no Brasil, que é preciso superar. É necessário valorizar a importância histórica do partido, como primeira expressão política autônoma dos trabalhadores brasileiros. Mas reconhecer o esvaziamento da sua razão de ser, a partir do momento em que sucumbiu à política convencional. E converteu-se no braço esquerdo do partido da ordem.

Esta autocrítica é fundamental na esquerda. Porque das lições que se tira da experiência recente, depende o alcance da política futura. Quem entende que o golpe foi movido por diferença de projeto, tem como horizonte o reestabelecimento da ordem petista. Os críticos desta ordem precisam dissecá-la impiedosamente, tirando as suas lições.

  1. Parte desta crítica envolve examinar a política regional brasileira. Então avanço uma quinta hipótese: as gestões petistas foram um freio da onda progressista sul-americana. Isso porque a sua política regional neutralizou, na prática, as iniciativas de potencial radical emanadas sobretudo da Venezuela. Alba, Telesur e o Banco do Sul teriam outro alcance com uma adesão brasileira.

E o Brasil não aderiu porque o projeto petista não tinha orientação contra-hegemônica. Ao contrário, a retórica integracionista disfarçava aspirações de liderança regional. Sob esta lógica, o bolivarianismo foi visto antes como um concorrente do que como um parceiro.

O cerne da política brasileira foi apoiar a internacionalização das chamadas “campeãs nacionais”, consolidando uma base material para projetar o país na política mundial: fazer do Brasil um global player. A integração foi instrumentalizada em favor de empresas como Odebrecht, JBS, Vale etc. Como são negócios baseados na superexploração do trabalho e na devastação dos recursos naturais, foi esta a lógica da integração liderada pelo Brasil, expressa de forma lapidar na IIRSA.

Por outro lado, a integração política foi subordinada ao desígnio brasileiro de atuar como um mediador regional: a esquerda responsável, que condena os excessos do chavismo e dialoga com a direita. Lembremos que a criação da Unasur foi um avanço, mas também uma forma de neutralizar a Alba.

  1. Há uma correspondência entre o alcance e os limites da onda progressista no plano nacional e a dinâmica da integração regional.

Qual foi o alcance? A mudança política se concretizou: para dar dois exemplos, o Pacto de Punto Fijo foi sepultado na Venezuela e a segregação dos indígenas da política boliviana foi ultrapassada.

Mas o limite desta mudança foi a continuidade macroeconômica: não se questionou o neoliberalismo. A única situação em que se tentou foi na Venezuela, refém do rentismo petroleiro.

O alcance e o limite da onda progressista encontra correspondência na dinâmica regional, em que a novidade política (a Unasul), se materializou nos marcos da continuidade econômica (a IIRSA).

  1. Qual a principal lição desta experiência histórica? As presidências petistas e a onda progressista sul-americana ilustram, com clareza cristalina, os limites para a reforma dentro da ordem na América Latina.

No plano doméstico, a mágica lulista pretendeu conciliar capital e trabalho: o limite aos avanços populares era o interesse do capital. De modo análogo pretendeu conciliar, no plano internacional, soberania e imperialismo: o limite da autonomia era o interesse dos Estados Unidos.

Porém, a fragilidade desta via ficou evidente. Afinal, em um País como o Brasil — ou em um continente como a América Latina —, há pouco que os trabalhadores tenham a ceder na relação com o capital, exceto o seu bem político mais precioso: a autonomia.

No Brasil, a crise do PT explicita os impasses do projeto que ele encarnou. O partido liderou a esquerda que apostou na mudança por dentro da ordem depois da ditadura: a reforma pela conciliação de classes. Por este caminho chegou à presidência, mas não mudou o Brasil. A lição é que, sem mexer nas estruturas nem comprar briga, é impossível mudar o País.

Para quem identifica o PT com a esquerda, a casa caiu. Mas já dizia Emicida: “sobre as chances, é bom vê-las: às vezes se perde o telhado para ganhar as estrelas”. É preciso deixar de lado o telhado, voltando a nos guiar pelas estrelas.

Fabio Luis Barbosa dos Santos é doutor em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP) e professor de Relações Internacionais na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp); é autor de Além do PT, da editora Elefante, no qual se baseia este artigo.

Publicado pela Revista Caros Amigos, edição 248.

Comentários

Veja Mais!

Carta ao general Braga Netto, por Frei Betto

General, o Rio precisa de intervenção cívica, e não militar. O Estado fluminense e a …