Home / Banco do Brasil / BB assedia bancários com remoção compulsória.

BB assedia bancários com remoção compulsória.

O projeto de desmonte do Banco do Brasil, promovido com anuência do governo Bolsonaro, segue precarizando a qualidade de vida dos funcionários. Nesta semana, o BB enviou um e-mail informando que dará início ao processo de remoção dos funcionários lotados em “dependências com excesso”.

O documento demonstra a falta de preocupação da empresa com uma decisão tão difícil. O prazo para inscrição voluntária é de apenas três dias, iniciando na última quarta-feira (3) e encerrando na sexta-feira (5).

O banco também anunciou que a partir do dia 8 o banco dará início às remoções e afirma que caso não ocorram a inscrição e movimentação no prazo estabelecido, a remoção “poderá ser realizada no interesse do banco”.

A orientação do Sindicato dos Bancários de Vitória da Conquista e Região é para que os colegas que não possuam interesse não façam a inscrição no processo.

Vale ressaltar que o SEEB/VCR já ingressou com uma ação na Justiça com o objetivo de evitar as transferências compulsórias anunciadas na reestruturação.

A diretoria defende que as remoções são totalmente unilaterais e não existe, por parte do banco, comprovação de real necessidade da promoção das transferências, em razão da alta demanda existente nos locais de lotação.

Em 2020, a Justiça proferiu decisão favorável ao SEEB/VCR, direcionada aos bancários de Vitória da Conquista, em outra ação que pleiteou o cancelamento das transferências.

“Inaceitável que, mesmo sabendo que existe decisão judicial impedindo as transferências compulsórias, o Banco do Brasil insiste em assediar os seus funcionários com ameaças de remoção para que eles peçam demissão. Orientamos as bancárias e bancários a não se manifestarem nesse processo e vamos levar mais esse assédio ao conhecimento da Justiça”, conclui Leonardo Viana, presidente do Sindicato.

Comentários

Veja Mais!

Banco do Brasil apresenta novo sistema de gerenciamento de carteiras

Para representação dos funcionários, Projeto Indução é prejudicado pelas metas que o banco cobra; Projeto …