Home / Política / Reforma administrativa ganha 5ª versão após divergências, incluindo redução de férias de juízes

Reforma administrativa ganha 5ª versão após divergências, incluindo redução de férias de juízes

Relator excluiu cooperação entre órgãos públicos e empresas privadas; PEC pode ser votada nesta quarta

Foto: Leonardo Hladczuk

A continuidade das dissidências em torno da reforma administrativa fez surgir uma quinta versão do parecer da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32/2020, que oficializa a medida. O relator, deputado Arthur Maia (DEM-BA), excluiu do texto o polêmico artigo 37-A, que previa a possibilidade de acordos de cooperação entre órgãos públicos e iniciativa privada para a oferta de serviços a partir do compartilhamento de estrutura física e pessoal.

A mudança veio após intensa pressão exercida por parlamentares de oposição e organizações civis que reúnem servidores públicos. Os dois segmentos acusaram o texto de promover uma privatização do serviço público, apontando para uma maior precarização das atividades ofertadas pelo Estado.

“Não houve a necessária compreensão dos colegas em relação ao formato adotado, razão pela qual foi excluído da proposta alternativa o artigo”, disse o relator no novo documento, ao defender os termos de cooperação.

A PEC retira direitos dos servidores e afeta o funcionalismo municipal, estadual e federal, bem como recai sobre os Três Poderes. Um dos pontos mais controversos, no entanto, é o fato de as regras propostas pela reforma não valerem para as carreiras de magistrados, promotores e procuradores do Ministério Público, militares e parlamentares.

Essa característica foi criticada não só pela oposição como por alguns aliados do governo Bolsonaro. É o caso de deputados do partido Novo, sigla de tendência ultraliberal que apoia a agenda econômica da gestão e pressiona por uma inclusão dessas categorias na PEC. A bancada da legenda chegou a dizer que não pretende votar favoravelmente ao texto se tais carreiras não passarem a constar na PEC.

Na nova versão apresentada por Maia na tarde desta quarta, ele incluiu juízes e promotores, por exemplo, em regras como o fim de férias superiores a 30 dias. Também resgatou um dos trechos mais polêmicos e que já havia sido tirado da PEC: a possibilidade de corte de até 25% nas jornadas e salários do funcionalismo.

A sessão de votação da proposta sofreu um novo adiamento, desta vez da manhã desta quarta para o período da noite. A ideia dos governistas é tentar colocar o texto para a apreciação da comissão especial que discute a PEC ainda nesta data, após a sessão do plenário da Câmara.

Desde o início da tarde servidores públicos estão mobilizados do lado de fora da Casa em um novo protesto contra a PEC. Eles pressionam os parlamentares para rejeitarem o texto.

Fonte: Brasil de Fato

Veja Mais!

Há mil dias no poder, Bolsonaro coleciona mentiras e casos de violações aos direitos

Anistia Internacional reuniu 32 casos de violações aos direitos humanos cometidas por Bolsonaro desde sua …