Home / Brasil / “Pátria amada não pode ser pátria armada”, diz arcebispo de Aparecida

“Pátria amada não pode ser pátria armada”, diz arcebispo de Aparecida

Na homilia realizada na manhã desta terça (12), sem a presença do presidente, que assistiu à missa da tarde, arcebispo fez apelo por desarmamento, pátria sem ódio e sem fake news

Na principal celebração do Dia de Nossa Senhora, no Santuário de Aparecida, na manhã desta terça-feria (12), o arcebispo do município, dom Orlando Brandes, criticou o ódio e a intolerância de grupos bolsonaristas usando, para isso, o slogan do governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) “pátria amada, Brasil”. Bolsonaro assistiu a missa da tarde que também teve críticas, mas não tão contundentes como as da manhã.

“Pátria amada não pode ser pátria armada”, disse o arcebispo Orlando Brandes, que prosseguiu: “Para ser pátria amada, seja uma pátria sem ódio. Para ser pátria amada, uma república sem mentira e sem fake news. Pátria amada sem corrupção. E pátria amada com fraternidade. Todos irmãos construindo a grande família brasileira”.

Em nenhum momento da homília, o arcebispo citou o presidente, que é pró-armamentismo e é alvo de inquérito sobre disseminação de informações falsas, mas aproveitou o momento para lamentar as mais de 600 mil mortes por Covid-19 e defender a vacina e a ciência.

“Mãe Aparecida, muito obrigado porque na pandemia a senhora foi consoladora, conselheira, mestra, companheira e guia do povo brasileiro que hoje te agradece de coração porque vacina sim, ciência sim e Nossa Senhora Aparecida junto salvando o povo brasileiro”.

Na missa da tarde, com Bolsonaro presente, o padre José Ulisses, diretor da Academia Marial de Aparecida, foi menos duro, mas fez várias referências à situação crítica do pais.

“Você que está aqui hoje, neste 12 de outubro de 2021, pode agradecer por estarmos aqui, vivos. Ela [Nossa Senhora] enxuga as lágrimas de muitas famílias. Muita gente morreu, mas hoje é o momento de olhar a imagem da nossa Mãe e dizer obrigada.”

Padre Ulisses falou também sobre ao desemprego, a fome e elogiou os que promovem a paz.

“Há várias mesas vazias, desemprego. Mas Nossa Senhora está aqui hoje para repartir o bolo do seu aniversário, sem distinção. Somos o povo de Deus. E a maior dignidade que temos deve prevalecer ao povo de Deus. Só assim poderemos construir um país e, assim, sonhar com a paz e a justiça”, disse o padre.

“Que haja mais desarmamento, mais felicidade e mais humanidade”, disse ele olhando na direção de Bolsonaro e de seus ministros. “Em seu aniversário, tudo que Nossa Senhora deseja é a vida”.

Fonte: CUT

Veja Mais!

‘Ministro da Economia não tem confiança no país’

Presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, vê ilegalidade e imoralidade na conta que Paulo Guedes tem …