Home / Brasil / Sem apoio do governo federal, população do campo sofre com avanço da fome na pandemia

Sem apoio do governo federal, população do campo sofre com avanço da fome na pandemia

Movimentos pressionam pela aprovação do PL 823 que retoma a proposta de medidas emergenciais de amparo aos agricultores

Com o avanço de políticas agrárias e ambientais que favorecem a expansão das fronteiras do agronegócio, um setor da sociedade tem sido especialmente afetado: a população que vive nas zonas rurais

Além do aumento do desmatamento, dos conflitos por terra, e da contaminação das nascentes, do solo e das pessoas pelo uso intensivo de agrotóxicos, o povo do campo é o que também mais tem sofrido com a fome durante a pandemia.

No esforço de defender a vida das pessoas do campo, estrou em votação no Congresso Nacional na noite desta terça-feira (8), o PL 823, de 2021, que retoma a proposta de medidas emergenciais de amparo aos agricultores familiares durante a pandemia.

Movimentos sociais têm inclusive se mobilizado para defender a pauta e conscientizar a população sobre a importância da aprovação do projeto de lei.

“A agricultura camponesa é responsável por 70% dos alimentos que vão à mesa do povo braileiro. Então, nesse sentido, ter aprovado a PL 823 é possibilitar que os camponeses possam permanecer no campo produzindo alimentos saudáveis, mas também possibilitando que esse alimento chegue à mesa do povo brasileiro”, ressalta Noeli Welter Taborda, da direção nacional do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC)

Mas as ameaças continuam. O Projeto de Lei 3292/2020, aprovado pela Câmara em maio, está em análise no Senado. O PL muda as regras do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), e retira a prioridade de compra de gêneros alimentícios para merenda escolar de assentados da reforma agrária, quilombolas, indígenas e ribeirinhos.

Alimentação

Segundo estudo da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Penssan), 60% da população da zona rural não se alimentou adequadamente no ano passado.

A situação alarmante vem associada à negação de políticas públicas específicas para o setor. No ano passado, o presidente Bolsonaro (sem partido) vetou o Projeto de Lei 735/2020, chamado de PL Carvalho de Assis, que previa auxílio emergencial e linhas de créditos para a agricultura familiar

“Ter aprovado o PL 735 era fundamental no sentido de possibilitar, e aumentar a produção de alimentos saudáveis e diversificados”, ressalta Taborda.

“Nesse contexto de pandemia, muitos relatos das camponesas têm tido sobre a dificuldade de poder comercializar seus produtos por conta da pandemia, nas feiras, é uma dificuldade muito grande para geração de renda”, explica.

Violência, fome e pandemia

O movimento de camponesas lançou um manifesto, na última semana, para denunciar o avanço das políticas do governo Bolsonaro, que segundo elas, pratica genocídio em três dimensões: estimulando a violência no campo, espalhando a fome e com descaso à pandemia.

“A política adotada por esse governo é uma política de morte, de destruição, que não prevê as mínimas condições para que o povo trabalhador tenha vida digna”, afirma.

A liderança do movimento também destaca o efeito devastador do modelo do agronegócio no país.

“O governo Bolsonaro investe milhões no agronegócio para produção de commodities, de monocultivo, que não são para o povo brasileiro se alimentar, mas sim são produtos para a exportação. [Essa escolha] aumenta o PIB, mas ao mesmo tempo aumenta a fome”, diz Tobardo.

“A gente percebe que muitas famílias estão em insegurança alimentar, por conta desse modelo do agronegócio, baseado nos agrotóxicos, agroquímicos e que não possibilita a produção diversificada de alimentos”, declara.

Além da negação do apoio emergencial específico, parte das conquistas transformadas em programas e políticas públicas nos últimos governos , também foi alvo de ataque. É o caso do esvaziamento do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), dos cortes no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), e da extinção do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea).

“Há um claro desejo desse governo em não apoiar o pequeno agricultor na agricultura familiar, tampouco a agroecologia com perspectiva camponesa. Esse governo tem interesse tão somente em expandir o capital, fortalecer os interesses das corporações. E tem ministros e ministras que servem esses interesses. No Ministério da Agricultura e Pecuária, no Ministério do Meio Ambiente e também no Ministério da Cidadania”, afirma André Luzzi, ativista alimentar e integrante do Fórum Paulista em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional,

Segundo ele, a prática instituída pelo governo é inversa a que deveria ser aplicada durante a pandemia, um momento que traz o risco de abastecimento e da fome.

“Nós apoiamos muito os circuitos curtos de alimentação, agricultura e nutrição, sistemas alimentares  de nível local, que favoreçam a proximidade do produtor e do consumidor. Essa política de agricultura de abastecimento atual, tem feito justamente o contrário, favorecendo os ricos, debilitando as políticas de abastecimento popular e deixando os preços dos alimentos muito altos.”, conclui.

Fonte: Brasil de Fato

Comentários

Veja Mais!

TCU nunca questionou o número de mortes pela Covid-19 no Brasil

Tribunal investiga como presidente divulgou a informação falsa de que o órgão questionava mortes por …